Megaprojeto de energia do Egipto já bate recordes

Siemens Portugal contribui para sucesso

quinta-feira, 16 de Março de 2017


  • Centrais elétricas vão aumentar capacidade de produção de energia do País em 45% e produzirão eletricidade suficiente para 45 milhões de pessoas

  • 4.8 Gigawatts já ligados à rede

  • Dos 742 quadros elétricos encomendados a Portugal, foram já entregues 666

Em junho de 2015, a Siemens AG recebeu a sua maior encomenda de sempre, que visa a expansão da produção de energia no Egipto através da construção de três centrais elétricas de ciclo combinado. Agora, apenas 18 meses depois da assinatura do contrato, a empresa bateu todos os recordes na construção das centrais ao conseguir ligar já à rede 4.8 gigawatts. A filial portuguesa contribuiu para este excelente resultado, através da entrega atempada de grande parte dos quadros elétricos produzidos na Fábrica de Quadros Elétricos da Siemens, no concelho do Seixal.

A primeira fase do megaprojeto no Egipto foi inaugurada na semana passada pela chanceler alemã, Angela Merkel, e pelo presidente do Egipto, Abdel Fattah El-Sisi. O objetivo de aumentar a capacidade da rede em 4,4 GW não só foi cumprido como superado, uma vez que já estão ligados à rede 4,8 GW. A capacidade adicional de 400 megawatts é suficiente para fornecer eletricidade a mais de um milhão de egípcios.

Tecnologia made in Portugal no Egipto

A Fábrica de Corroios da Siemens, no concelho do Seixal, ficou responsável pela produção e fornecimento de quadros elétricos de média tensão e de quadros de comando e controlo de turbinas para este megaprojeto, perfazendo um total de 742 unidades, das quais 666 já foram entregues – todas dentro dos prazos previstos, o que também contribuiu para antecipar a entrada em funcionamento das turbinas.

“A Fábrica de Corroios foi escolhida como fornecedora destes equipamentos pelo prestígio de que goza, dentro do mundo Siemens, no que concerne aos padrões de qualidade europeia, ao cumprimento dos prazos estabelecidos e à relação de confiança que tem mantido com os seus clientes ao longo dos anos, assente no know-how das suas equipas” explicou Fernando Silva, diretor da divisão da Energy Management Portugal.

Recorde-se que esta fábrica foca a sua produção em quadros elétricos de baixa e média tensão e 95% dos seus equipamentos são exportados para países como a Alemanha, Angola, Brasil, África do Sul, Austrália, México, Coreia do Sul e Emirados Árabes Unidos.

Tudo em grande escala

Juntamente com os parceiros egípcios Elsewedy Electric e Orascom Construction, a Siemens fornecerá, em regime chave na mão, três centrais elétricas de ciclo combinado alimentadas a gás natural, cada uma com uma capacidade de 4,8 GW, ou seja, um total de 14,4 GW. Cada uma das três centrais elétricas - Beni Suef, Burullus e New Capital - funcionará com 24 turbinas a gás da classe H da Siemens, selecionadas pela sua elevada capacidade de produção e eficiência. O âmbito do fornecimento inclui ainda 12 turbinas a vapor, 36 geradores, 24 geradores de vapor de recuperação de calor e três quadros de distribuição isolados a gás de 500 kV cada.

Alguns factos impressionantes:

  • Após a conclusão prevista para maio de 2018, as três centrais serão as maiores centrais a gás de ciclo combinado do mundo;

  • Mais de 20.000 trabalhadores e técnicos nos vários locais de construção;

  • Mais de 1,6 milhões de toneladas de materiais estão a ser utilizados;

  • Mais de 5.500 egípcios estão a receber formação.

  • Permitirão ao Egipto poupar 1,2 mil milhões de Euros em combustíveis;

Fotos e outros materiais disponíveis em www.siemens.com/press/energy-for-egyt


Rita Silva 

 ritas.silva@siemens.com